Curto

Qual o risco de uma viagem na montanha durante a gravidez?

Qual o risco de uma viagem na montanha durante a gravidez?

Férias na montanha são permitidas durante a gravidez, desde que sejam respeitadas várias regras essenciais para a segurança da barriga do bebê. O ar fresco da montanha faz boa saúde quando você está grávida, mas grandes altitudes não são muito indicadas. Os médicos aconselham as mulheres grávidas a não exceder 1800 metros de altitude por causa do risco de hipóxia.

Os especialistas afirmam que você pode viajar sem problemas para a montanha durante a gravidez e não tem uma gravidez de risco. É aconselhável procurar o conselho do médico antes de fazer essa viagem. Se você tiver uma gravidez de alto risco, pode não ser uma boa ideia viajar e ficar longe do médico.

Riscos de grandes altitudes na gravidez

As grandes altitudes são as que mais preocupam a gravidez. Em alguns casos, eles não são um problema, mas em outros podem criar problemas. É melhor evitar viajar em grandes altitudes no primeiro e no último trimestre da gravidez.

O primeiro trimestre da gravidez é o mais difícil de suportar durante a gravidez. Existem muitas alterações hormonais e sintomas de gravidez que fazem você se sentir mal. Estes incluem náusea matinal, dificuldade em respirar e tonturas. Se você estiver de férias nas montanhas no início da gravidez, tenha cuidado ao subir em grandes altitudes. O ar da montanha é muito forte. Você precisa saber que em altitude há menos oxigênio do que em baixas altitudes.

em seguida quando você está esperando um bebê, pode sentir uma privação mais aguda de oxigênio. Problemas respiratórios graves podem ocorrer e privam o feto de oxigênio, colocando sua vida em perigo. Além disso, outros sintomas específicos da gravidez, como dores de cabeça ou tontura, podem ser exacerbados. O ponto é que você não se sentirá muito bem em altura. Mas não é obrigatório mostrar esses sinais a todas as mulheres grávidas. Alguns suportam as alturas. Os médicos não proíbem completamente essas viagens.

Eles aconselham mulheres grávidas para tentar subir gradualmente a grandes altitudes. É melhor não fazer a transição repentina de altitudes baixas para altas, mas ser um passo progressivo. Dessa forma, eles têm a oportunidade de descobrir se estão começando a se sentir mal ou estão mostrando sinais de hipóxia (sensação de asfixia) à medida que aumentam.

Se sinto que algo não está certo, é melhor desistir da ideia. Especialistas afirmam que caminhadas em grandes altitudes devem ser de curta duração, mesmo se você se sentir bem e não tiver problemas. Uma estadia prolongada em grandes altitudes pode causar o feto. Parece que as mulheres que vivem em grandes altitudes dão à luz filhos mais novos. Eles também mostram atrasos no crescimento.

O terceiro trimestre da gravidez é bastante cansativo. A barriga cresceu consideravelmente, você se sente mais cansado e mais estressado com o pensamento de que em breve nascerá. Surgem preocupações com o nascimento, e uma viagem a altitudes onde o oxigênio é baixo não é uma boa idéia. Pode agravar os sintomas e o cansaço e aliviar os poderes. Você não quer arriscar que o menino tenha problemas agora, quando estiver nos últimos cem metros.

Os médicos recomendam hidratação intensa contra efeitos nocivos. Além disso, uma dieta equilibrada, mas rica em carboidratos complexos e gorduras insaturadas, pode fornecer a energia e a força necessárias para lidar com as estradas nas montanhas e evitar a fadiga. Quando estiver grávida, é melhor nunca exceder a altitude de 1800 metros. Há um teste de hipóxia que você pode fazer antes de ir para as montanhas.

Ele mostra qual é a sua tolerância para reduzir os níveis de oxigênio. Se você fizer o teste, saberá se pode ou não suportar o ar de grandes altitudes. a melhor coisa a fazer é apreciar a vista e o ar em baixas altitudes. Há tantas coisas que você pode fazer sem subir o topo da montanha. Você pode apreciar a vegetação luxuriante e as flores e meditar em meio a uma natureza limpa e fresca.

Tags Segurança de tarefas Cuidado de tarefas